O CREDO DO BEBUM

Creio no álcool todo poderoso,
criador de caso em todas as festas.
Creio na aguardente, sua única filha,
que foi concebida na moenda do alambique.
Nasceu da santa planta,
e padeceu sob os poderes da lei seca.
Foi condenada,
falsificada e desdobrada.
Ressurgiu das adegas,
subiu as prateleiras,
e está na mão de todo bom cachaceiro.
De onde há de vir cheia de glórias,
para alegrar os ricos e os pobres.
Espero que jamais tenha fim.
Creio na Santa Madre Cana,
na boa safra anual,
na ressurreição das pipas,
na bebedeira eterna.
Amém.